Imagem capa - Sobre ser Pai por André Frutuôso

Sobre ser Pai



Estar pai nessa reencarnação é reencontrar com alguém muito importante em nossa vida e em nossa existência. Viver novamente com uma pessoa é a chance de reparar algo que ficou para trás, aprender mais, trocar saberes... Afinal estamos num mundo de provas e expiações.


Creio que ser pai é, acima de tudo, exercitar o amor em seu mais alto grau. Somente quem é pai entende o sentimento arrebatador que toma o peito da gente, quando o filho (a) olha em nossos olhos e, mais ainda, quando diz: Eu Te Amo!


A doutrina espírita nos ensina que o acaso não existe, independe da situação, seja ela positiva ou não, tudo tem um porquê e as nossas conexões são de outrora. Ainda fundamentado no ensinamento espírita, aprende-se também que o ditado popular: “Eu não pedi para nascer”, também é um equívoco, pois no mundo espiritual há um conjunto de seres que anseiam pelo retorno à convivência terrena para reparar, progredir ou continuar alguma missão.


Lógico que nem tudo são flores, pois o desafio educacional entre pai e filho (a) é bem complexo, principalmente no mundo contemporâneo. A forma de ensinarmos valores aos nossos pequenos se reinventou, e fazer com que eles entendam a importância da convivência em grupo, respeito ao outro, caridade, gentileza, solidariedade e amor ao próximo, não é tarefa fácil. Porém, os desafios serão recompensados pelo sentimento de cumprimento do seu papel quando perceber crescido um cidadão do bem.


É bom lembrar que o ato de educar não é uma via de mão única, há um aprendizado constante, sim. Quando se ouve com o coração é possível também aprender com os nossos filhos e também dar boas risadas com as respostas hilárias ditas por eles, a exemplo:


“Meu pai você não vai ficar só, eu vou pra casa de dinda e você vai ficar com Deus!”


“Filha, eu te amo tanto, gruda aqui em mim”. Resposta: “Ouxe, eu não sou cola para ficar grudando."


Algumas “perolas” ditas por Maria Flor (04 anos), que está minha filha.


E por falar em minha, noto que uma das maiores provações para nós é entender que não temos posse de nada, que os “nossos filhos” são, na verdade, presentes de Deus, emprestados para nós, durante um tempo, para um relacionamento “momentâneo” de troca, aprendizado, afeto e parceria.


Tenho certeza que não serei o melhor pai do mundo, mas tenho convicção de que trabalho para ser um dos mais esforçados.


Nesse domingo especial, celebrado como o Dia dos Pais na Terra, a Casa do Caminho deseja, a todas as pessoas que desempenham o papel de pai nessa encarnação, felicidades e um abraço fraterno. Que Deus continue iluminando a jornada de todos, para que a base das relações sejam fraternas e de compromissos de AMOR.


" A paternidade e a maternidade, dignamente vividas no mundo, constituem sacerdócio dos mais altos para os espíritos reencarnados na Terra, pois através dela, a regeneração e o progresso se efetuam com segurança e clareza (Nos Domínios da Mediunidade. Pelo Espírito André Luiz)."


"Os laços de sangue não estabelecem necessariamente os laços espirituais. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porque este existia antes da formação do corpo. O pai não gera o Espírito do filho: fornece-lhe apenas o envoltório corporal. Mas deve ajudar seu desenvolvimento intelectual e moral, para o fazer progredir.


            Os Espíritos que se encarnam numa mesma família, sobretudo como parentes próximos, são os mais freqüentemente Espíritos simpáticos, ligados por relações anteriores, que se traduzem pela afeição durante a vida terrena. Mas pode ainda acontecer que esses Espíritos sejam completamente estranhos uns para os outros, separados por antipatias igualmente anteriores, que se traduzem também por seu antagonismo na Terra, a fim de lhes servir de prova." (O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIV, Allan Kardec)


Texto feito a pedido da Comunicação da Casa do Caminho Pronto Atendimento Espírita e publicado originalmente no site da instituição no dia 12/08/2018. Foto: Camila Frutuôso